Translate

quarta-feira, julho 06, 2011

JUAN MORAES , 11 ANOS " ETERNA PRESENÇA "

                                                                            

                  TAVARESFALATUDO  

                  

'Quem vai pagar por isso?', diz pai de Juan após identificação
06 de julho de 2011  17h58  atualizado às 18h00

comentários
90
Familiares começaram a destribuir cartazes para ajudar a encontrar Juan. Foto: Jadson Marques/Futura Press
Familiares começaram a destribuir cartazes para ajudar a encontrar Juan
Foto: Jadson Marques/Futura Press

Logo após receber a notícia de que o corpo encontrado às margens do rio Brotas, em Belford Roxo (RJ), era de seu filho Juan Moraes, 11 anos, o pai do menino, Alexandre da Silva não escondeu seu desespero e cobrou providências do poder público. "Quero saber como isso vai ficar, quem vai pagar por isso? A mãe dos meus filhos está muito abalada, entrou em desespero", disse Silva.
A criança desapareceu no dia 20 de junho, após troca de tiros entre policiais e traficantes na favela Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Juan, seu irmão Wesley, 14 anos, e Vanderson dos Santos de Assis, 19 anos, foram baleados. Wesley afirma ter visto o irmão sendo atingido e caíndo no chão. Poucos minutos depois, o menino desapareceu.
Na tarde desta quarta-feira, o comandante da Polícia Militar, Mário Sérgio Duarte, determinou que os quatro PMs que participaram da ação na comunidade sejam afastados do batalhão e transferidos para a Diretoria Geral de Pessoal. Caso seja comprovada a participação dos policiais, eles serão expulsos da corporação.
Ossada encontrada era de Juan
A chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Martha Rocha, anunciou a morte do menino Juan no início da tarde desta quinta-feira. Ele estava sumido desde 20 de junho, após uma operação do 20º BPM (Mesquita), na comunidade Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Em entrevista coletiva, Martha Rocha informou que o corpo encontrado na semana passada e que havia sido identificado como de uma menina era, na verdade, de Juan. A confirmação veio através de dois exames de DNA.
"Não há a menor sombra de dúvida de que se trata do menino Juan", disse Sergio Henriques, diretor de polícia técnica, durante a coletiva. "Houve um erro de precipitação da perita, e ela vai responder a uma sindicância", disse acerca do erro de identificação do sexo do corpo. Também foi aberta uma sindicância sobre a atuação no caso da 56ª DP (Comendador Soares), cujo delegado foi afastado. Os exames que comprovaram a identidade foram feitos a partir do chinelo encontrado na comunidade e que era usado pelo menino naquele dia.
Além de homicídio, os policiais militares podem responder por ocultação de cadáver e fraude processual. Segundo o titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, o pedido de prisão só será feito após a reconstituição, programada para sexta-feira.
O Dia
O Dia - © Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.
 
Como explicar  , essa falha da  pericia , em ocultar a morte do menino Juan Moraes , como explicar que um corpo não possa ser identificando em 20 dias  ?    
  Como uma perita não sabe se esse corpo é de menino ou menina ?
  Quem essa perita estava protegendo ?