Translate

quarta-feira, agosto 19, 2009

MARINA SILVA




A Ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, sai do governo Lula depois  de intensa pressão do agronegócios e daqueles que defendem o  crescimento insustentável.

MARINA SILVA DEFENDE NOVAS REGRAS PARA O SENADO

26/06/2009


A senadora Marina Silva propôs, nesta sexta-feira (26-06), a instalação de um processo instituinte no Senado, uma espécie de constituição da própria Casa, envolvendo os diferentes partidos, senadores, servidores, gestores, enfim, todos os segmentos da instituição, com o objetivo de reelaborar a ação e as regras do Senado Federal.

"Quando digo que o processo deve ser a partir desta própria Casa, não me refiro apenas aos senadores, mas também aos funcionários, porque há uma perda do lugar do trabalho, há uma perda da constituição da referência, das significações que as pessoas fazem das suas vidas aqui dentro, diante de tantos problemas. E não se pode olvidar, nem minimizar os problemas, que são graves. A crise é profunda e deve ser tratada dessa forma", destacou Marina Silva, da tribuna do plenário do Senado.

Embora ressaltando que ainda não tem os contornos desse processo, a senadora sugeriu que a Casa peça também a ajuda de pessoas que pensam a gestão pública e trabalham na elaboração de políticas, para a reelaboração dos processos administrativos e da ação política do Senado. Um processo instituinte, de acordo com Marina Silva, deve envolver especialistas do campo da ciência política, da academia, dos movimentos sociais, além do Congresso Nacional.

A senadora ainda defendeu o debate com pessoas especializadas também no campo das relações humanas, com conhecimento no campo das ações comportamentais. "Porque já temos, agora, quase que um processo de adoecimento da instituição, onde a repetição do erro permanece, prevalece quase que de uma forma estagnante. Os mesmos erros são praticados reiteradas vezes e parece que não temos aprendido com o conjunto de problemas que têm vindo à tona a cada momento. De sorte que é importante ter também o olhar daqueles que lidam com o comportamento humano, para que as pessoas recuperem o lugar da autoestima ou da heteroestima, dentro do Congresso Nacional", disse.

Segundo a senadora, este é o momento de fazer aflorar toda a indignação possível e de, ao mesmo tempo, botar à mesa os diversos segmentos do Senado, para que todos possam dar a sua contribuição.

"Obviamente, quando falo todos não estou dizendo que aqueles que estão passando por processos investigatórios, e que merecem ser punidos, devem vir, também, sentar-se à mesa. O que estou dizendo é que a Casa tem muito mais contribuição a ser dada e que, neste momento, ela está, digamos, silenciosa", fez questão de ressaltar Marina Silva, acrescentando que "chegou o momento de todos virem também em favor e em apoio àqueles que estão se esforçando de forma corajosa, colocando suas posições, se expondo e, inclusive, pagando o preço por essa exposição". Finalmente, a senadora destacou que sua sugestão deve se somar às iniciativas que já estão sendo tomadas na Casa, por diferente senadores, como Eduardo Suplicy (PT-SP), Arthur Virgilio (PSDB-AM) e Pedro Simon (PMDB-RS), que propõe o afastamento do senador José Sarney da presidência do Senado.


SE LIGA BRASIL AGORA MARINA SILVA É VERDE